Os recém-nascidos de Açailândia que precisavam de atendimento em uma unidade de tratamento intensivo neonatal tinham que se deslocar até a cidade de Imperatriz, cerca de 70 km em busca de recursos para procurar ajuda médica para que os bebês sobrevivessem.

O Centro de Parto Normal de Açailândia é uma unidade de atenção ao parto e ao nascimento localizado dentro do hospital municipal. Com 10 leitos, a UTI Neonatal é um ambiente preparado para receber bebês que nasceram antes das 37 semanas de gestação, com baixo peso ou que possuem algum problema que possa interferir no seu desenvolvimento. A unidade possui incubadoras e aparelhos de ponta.

Acompanhados do secretário de Governo, Sininger Vidal, da diretora do Hospital Municipal de Açailândia, Keury Pinho, e do secretário de Saúde, Linderval de Moura, os profissionais da imprensa local visitaram a Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Na oportunidade esclareceu que o Ministério da Saúde, nos últimos anos, investiu na expansão de leitos pediátricos e neonatais para atendimento de maior complexidade, através do investimento da Rede Cegonha, que tem como objetivo proporcionar tanto às mulheres saúde, qualidade de vida e bem-estar durante a gestação, parto, pós-parto e como o desenvolvimento da criança até os dois primeiros anos de vida.

Linderval enfatizou que o custeio da unidade de UTI Neonatal é uma parceria entre o Governo Federal, Estadual e Municipal. A administração estará em busca permanente de recursos para manter o atendimento para os bebês do município. E que a obra financiada pelo governo do federal, teve um custo estimado de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais) em equipamentos e R$ 283.000,00 (duzentos e oitenta e três mil reais) com a reforma do prédio. Ressalta ainda que, de acordo com publicação do Diário Oficial desta terça-feira (04), quatro municípios do Maranhão terão que devolver o recurso da rede por não terem aplicado.

“Temos que fortalecer o pré-natal na Atenção Básica de Saúde, cujo objetivo é orientar sobre a prevenção de doenças, solucionar os possíveis casos de agravos e direcionar os mais graves para atendimento especializado”, afirma o secretário de Saúde.

A previsão para a entrega da obra está prevista para o mês de junho. A pasta ressalta que também tem investindo na qualificação do pré-natal, é possível prevenir fatores de risco que levam ao parto prematuro antes do período gestacional mais adequado; contudo, também possibilitam uma melhor definição por intervenções para interrupção da gestação quando há algum risco de vida para mãe ou bebê. Nesse sentido, a melhoria da atenção nem sempre evita os nascimentos de bebês prematuros, mas, com certeza, diminui a mortalidade materna, fetal e neonatal.

ASCOM - PMA

by 11:56 0 comentários